Tela Estilo                                                     Foto                  Música                     Contato                  Release
 
 
Petrúcio Amorim 

Petrúcio Antônio de Amorim, nasceu em Caruaru-PE, em 25 de janeiro de 1959, no bairro do Vassoural. Intuitivamente aos nove anos de idade juntava sons e palavras e fazia suas primeiras canções, mas ao doze anos já sonhava com suas músicas tocando nas emissoras do local. A devoção musical veio mesmo quando começou a participar dos festivais estudantis. Em 1979 participou do segundo encontro Latino Americano de folclore, festival realizado na Sala de Cultura Luiza Maciel, em Caruaru. Concorreu com três musicas e teve a felicidade de ganhar o festival com as três. Os prêmios foram entregue por Luiz Gonzaga (o Rei do Baião). A partir desta data tudo mudou quanto ao incentivo e elogios constantemente dados pelos amigos e admiradores. Teve finalmente sua primeira música gravada por Azulão (Confissão de um Nordestino), era o início da realização de um sonho.
Em 1981, conheceu Jorge de Altinho que também começava sua carreira de intérprete, assinou duas músicas em um LP este gravou naquele período (Disfarce e Confidências), músicas que até hoje tocam nos bares e casas de shows de todo Nordeste. Em 1983 mais outros sucessos: Devagar ("Devagar que o santo é de barro...") e Lembranças ("era um tombo só feito o balanço do mar...”) também com Jorge de Altinho, estas músicas vieram despertar Petrúcio Amorim algum tempo depois a gravar um disco.
Em 1984, recebeu um convite da Gravadora Polygram e fez seu primeiro LP, com o título de *Doce Pecado*, um trabalho cheio de inovações, com várias fusões musicais, misturando Rock com Xote, Afoxé com Baião, Toadas e Galopes com poesias carregadas de metáforas. No ano de 1986 lançou mais um da mesma forma, que ganhou o titulo Forró, Frevo e Alegria. Com esses trabalhos, começou assumir sua carreira de intérprete, cantando e fazendo seus shows pelas cidades do interior Pernambucano. Mas o gosto pelas composições não parou, compôs grandes sucessos com Novinho da Paraíba um deles “Estrela Cadente” em 1987 e “Nem olhou pra mim” em 1988 sucesso em todo Nordeste com Alcymar Monteiro. Depois de vários forrós, notou que a tendência para o romântico e o samba não era tão difícil. Anos mais tarde, conheceu Jorge Silva do Recife com quem compôs ”Como posso te esquecer” gravada por Augusto César e “Sanfoneiro bom” gravada por Leci Brandão. Outra ideal parceria foi com outro grande intérprete e compositor pernambucano Leonardo, com quem compôs, belas canções, inclusive uma delas gravada por ele e por Fafá de Belem (Fiel como um cão).

Petrúcio Amorim também participou de dois Canta Nordeste (Festival realizado pela Rede Globo Nodeste) , com a música Cidade Grande, defendida por Cristina Amaral, em 1991, que ganhou o segundo lugar no primeiro festival, e no quinto em 1995, conquistou o primeiro lugar com a música MENINOS DO SERTÃO em parceria com Maciel Melo e interpretada por Nadia Maia, música esta, posteriormente gravada por Zé Ramalho. Em 1990 gravou mais um LP, este intitulado ”Feito mel no melão” mais uma grande experiência como interprete e compositor. Entre as músicas que mais que se destacaram, uma chamou atenção: O Rei nas estrelas, em homenagem a Luiz Gonzaga.

Em 1991 Jorge de Altinho grava três musicas (Meu ex-amor, Foi bom te amar e Menino de rua), todas viraram sucesso. Em 1994 Petrúcio Amorim lança aquele que seria seu último LP, recheado de novas músicas e de canções que marcaram épocas, neste trabalho também consta um clássico que assim eterniza a obra de Petrúcio Amorim, ”Meu Munguzá”.

No ano de 1995 em fim gravou seu 1º CD com o título de Petrúcio Amorim 15 anos de Forró com participações de alguns artistas da mídia pernambucana como Cristina Amaral, Leonardo e Maciel Melo. Dentre as canções, uma delas ficou na história do forró de Petrúcio “Meu cenário” com mais de 40 regravações. No mesmo ano Flávio José estoura com Meu Munguzá que virou “Tareco e Mariola”.

Em 1996 recebeu em sua terra natal, Caruaru, a grande homenagem, na Capital do Forró o título de “São João Petrúcio Amorim” e de Flávio José o grande sucesso, Filho do Dono também de sua autoria. Em 1998 gravou o CD Fim de Tarde também com bastantes novidades, uma delas foi a regravação de Anjo Querubim, talvez a música mais regravada de todo seu repertório. Porém uma das mais perfeitas obras deste poeta interprete é o CD A Festa Do Forró, disco lançado no ano 2000, onde reúne num só trabalho 12 dos melhores interpretes do nosso forró, cantando seus grandes sucessos. No ano de 2001 veio cantando 14 canções no CD Bebendo da Fonte, onde reúne obras suas e de parceiros como Acyolle Netto e Maciel Melo, CD este gravado pela Somzoom. No mesmo ano teve a alegria de ter sua música Tareco e Mariola gravada por Chiclete com Banana. No ano de 2002 Petrúcio Amorim veio com o CD Pra ficar com você recheado de novas e antigas canções, algumas delas parcerias com Jorge de Altinho, Rogério Rangel e muitos outros, como sempre também cantando com amigos, desta vez seus convidados são: Santanna, Nadia Maia, Augusto César e Rogério Rangel. Também nesse ano Falamansa gravou Confidências música em parceria com Jorge de Altinho. No ano de 2004 gravou seu 6º CD e o décimo disco de sua carreira, Deus do Barro, homenagem ao seu ícone maior da cultura nordestina Mestre Vitalino, também rechedo de novidades e participações, cantando com: Valdir Santos, Marrom Brasileiro, Nana Vasconcelos e muitos outros. Ao todo são quatro LPs, seis CDs e mais de 200 músicas gravadas, em média uns 50 sucessos e dezenas de intérpretes cantando suas músicas pelo Brasil.

Sucessos como: Confidências, Devagar, Lembranças, Estrela Cadente, Nem olhou pra mim, Como posso te esquecer, Menino de rua, Fiel com um cão, Cidade grande, Forró Brasileirinho, Meu ex-amor, Tareco e Mariola, Anjo Querubim, Filho do Dono, Meu Cenário e muitas outras.

Intérpretes como: Falamansa, Jorge de Altinho, Marinês, Trio Nordestino, Azulão, Alcymar Monteiro, Novinho da Paraiba, Cristina Amaral, Augusto César, Assisão, Leonardo, Elson, Flávio José, Leci Brandão, Fafá de Belém, José Augusto, Razão Brasileira, Elba Ramalho, Zé Ramalho e Chiclete Com Banana.

Em 2005 comemorou 25 anos de carreira como compositor.